sexta-feira, 21 de abril de 2017

Quinta de Lourosa em Lisboa Com Novidades na Bagagem

A Quinta de Lourosa veio até Lisboa para apresentar duas novidades, o Quinta de Lourosa Arinto e Loureiro 2016 e Quinta de Lourosa Alvarinho 2015, como também voltar a dar a provar o seu actual topo de gama Vinha do Avô, feito a partir da casta Arinto, numa ligação à mesa inesperada, mas conseguida.
Rogério de Castro e sua filha Joana de Castro são os grandes motores que fazem avançar o projecto da Quinta de Lourosa, localizada na Região Demarcada dos Vinhos Verdes, no concelho de Lousada, e que juntos facilmente deixar revelar o seu apego pela terra, a paixão pelo vinho e amor pela família e sua herança.

Vinhos a seguir com atenção, dos quais foram provados e depois levados à mesa com a comida do Wine Lover Bairro Alto as duas novidades já referidas e o Vinha do Avô, um vinho especial elaborado unicamente a partir da casta Arinto e que é fruto do amor pela natureza e pela vinha, sendo uma homenagem dos netos (Mariana, Francisco e Mafalda) ao avô, Rogério de Castro. Do portefólio fazem parte vinhos brancos, rosados, tintos e espumantes.

QUINTA DE LOUROSA 2016 BRANCO | VINHOS VERDES | 13% | PVP 4€
ARINTO, LOUREIRO
QUINTA DE LOUROSA SOCIEDADE AGRÍCOLA, LDA
15,5
Cor amarelo citrino, aberto, aspecto limpo e jovem. No nariz mostra boa intensidade aromática, notas florais e citrinas em bom plano, revelando neste momento mais a casta loureiro em relação ao arinto. Na boca acidez definida, em equilíbrio com as notas de fruta fresca, alguma textura e volume e terminando longo.
A sua acidez e frescura revela-se cartada poderosa quando em ligação com pratos com alguma gordura, queijos e enchidos.

QUINTA DE LOUROSA ALVARINHO 2015 BRANCO | MINHO | 13% | PVP 8,5€
ALVARINHO
QUINTA DE LOUROSA SOCIEDADE AGRÍCOLA, LDA
16
Cor amarelo citrino, definido, alguns esverdeados, aspecto limpo e brilhante. No nariz a fruta aparece envolta em leves tostados, barrica ainda um pouco saliente, traço mineral e fresco. Expressivo de boca, acidez firme e com tensão, envolvente e com algum corpo que o torna mais apetecível e guloso. Com a barrica praticamente ligada na prova de boca é um vinho que termina longo.

QUINTA DE LOUROSA VINHA DO AVÔ BRANCO | VINHO DE MESA | 11,5% | PVP 30€
ARINTO
QUINTA DE LOUROSA SOCIEDADE AGRÍCOLA, LDA
17
Deste foram apenas engarrafadas 1500 garrafas magnum. Homenagem à Vinha e ao Avô Rogério de Castro, um Arinto que é um lote de 3 colheitas (sobretudo 2013, mas também 2014 e 2015) com fermentação em barrica usada.
Cor amarelo palha seca, definido, aspecto límpido. Nariz muito citrino, laranja, bergamota, tangerina, maçã, algum salino e granito, fresco. Volumoso de boca, toranja, toranja e mais toranja, acidez brutal, sólido. Surpreendentemente jovem e austero, assente nas notas citrinas de lima e laranja, uma fina mineralidade a dar requinte. Precisará agora de mais tempo em garrafa para ganhar outra dimensão.
À mesa foi servido com a sobremesa. Queijo de cabra e compota de abóbora, tarte de amêndoa e toucinho do céu. Resultou e bem.
_____________________________________
QUINTA DE LOUROSA 
Lourosa, 4620-722 SOUSELA
Telf:   +351 255 815 312
Telm: +351 963 213 655
Mail: info@quintadelourosa.com

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Restaurante Café Garrett - Lisboa

Em cartaz desde já algum tempo no Teatro D. Maria II em Lisboa está o restaurante de Leopoldo Garcia Calhau que nos faz tropeçar à entrada do Teatro, parar para ler a ementa e depois nos obriga a sentar para trincar qualquer coisa.
O espaço convida a comer, a beber e a conversar. Durante o dia a esplanada fechada com grandes painéis de vidro é a atracão. À noite, a sala interior convida a momentos mais intimistas ou de reflexão antes de seguirmos o nosso caminho até ao nosso lugar em noite de peça.

À mesa os pratos revelam a simplicidade dos sabores autenticos, marcadamente de aposta na cozinha mediterrânica, na comida de conforto e nas memórias que nos conseguem trazer no momento de as degustar. Não será por isso estranho perceber a ligação afectiva a alguns deles ou a algum produto em particular quando o prato nos é apresentado à mesa.

Conforme indicado na ementa, Para Começar... Tomate, Pimentos e Ovo (Tomatada). Fechar os olhos e acordar os sentidos e a memória com o aroma e o sabor deste prato. Tudo no ponto e sem ser a época do tomate.

De seguida, a passagem para A Bifana. Uma interpretação de Leopoldo Garcia Calhau que surpreende pelos sabores mais acidez e picantes da mostarda em contraste com a doçura de um pão tipo brioche e a leveza do panado de carne. Pessoalmente dispensava as batatas tipo palito, mas confesso que também poderá ser apenas uma perseguição muito pessoas a este tipo de batata.

Já na fase de Sem Espinhas e Sem Osso, seguiu-se O Polvo, Batata Doce e Coentros. A ligação sempre fantástica do polvo com a batata doce, a intensidade do coentro   e um coulis de pimentos vermelhos de não deixar por lá vestígios no final da refeição.

Para sobremesa, e apesar das restantes opções, é obrigatório o Pudim de Noz da Joana. Uma verdade obra do "Demo" para atentar a qualquer dieta ou tentativa de fuga afirmando que não é costume comer doces no final da refeição. A primeira vez que saboreei este doce acho que comi umas três fatias... e não senti nenhum remorso ou culpa pelo que acabara de fazer.
Este pudim, uma receita de sua família com mais de 40 anos, leva apenas nozes, ovos, pão e açúcar. Uma perdição!

____________________________________
CAFÉ GARRET
Tipo de Cozinha: Tradicional Portuguesa, Alentejo
Copos de Vinho Adequados: Sim
Estacionamento: Fácil (Pago)
Horário: Terça a Domingo das 12:00h às 24:00h
Preço Médio Refeição: 20€

Morada: Teatro Nacional D. Maria II, Praça D. João Da Câmara, 1100-201 LISBOA
Telefone: + 351 211 933 532
Na Net: Página de Facebook

terça-feira, 18 de abril de 2017

Assobio 2016 Branco

ASSOBIO 2016 BRANCO | DOURO | 12,5% | PVP  7,49€
VERDELHO, GOUVEIO, VIOSINHO, RABIGATO, CÓDEGA DO LARINHO
MURÇAS, SA
16

Assobio é o nome de uma vinha na Quinta dos Murças, propriedade do Esporão, onde, ao final da tarde, se ouve o vento assobiar. Parcelas com características únicas, orientadas a Norte e a cotas mais elevadas que produzem vinhos mais frescos e de grande versatilidade à mesa. Cor amarelo citrino, esverdeados leves, aberto, aspecto limpo e jovem. No nariz mostra boa intensidade, citrinos a dominar, lima, fruta de polpa amarela e leve tropical bem colocado, granito molhado, fresco. Boca com acidez equilibrada, boa secura, muita fruta de polpa amarela fresca, ameixa, citrinos, com comprimento e frescura.

quarta-feira, 12 de abril de 2017

Loios 2016 Branco

LOIOS 2016 BRANCO | ALENTEJO | 12,5% | PVP  3,29€
ARINTO, RABO DE OVELHA, ROUPEIRO
J PORTUGAL RAMOS VINHOS, SA
14,5

Encontramos já nas prateleiras dos supermercados e garrafeira a colheita mais recente do Loios branco de João Portugal Ramos. Com novo restyling à imagem e formato da garrafa, trazendo para o rótulo a rosácea que representa os vitrais das igrejas.
Cor amarelo citrino, laivos esverdeados, aspecto limpo e jovem. Aromas a fruta citrina, limpa e directa, alguma maçã verde, traço a pedra lascada, equilibrado e fresco. Na boca marca a fruta citrina, alguma secura, boa acidez e equilíbrio de conjunto. Final médio e fresco.
Uma aposta para os dias mais quentes.

terça-feira, 11 de abril de 2017

Monte da Ravasqueira Vinha das Romãs 2014 Tinto

MONTE DA RAVASQUEIRA VINHA DAS ROMÃS 2014 TINTO | ALENTEJO | 13,5% | PVP  14,95€
TOURIGA FRANCA, SYRAH
MONTE DA RAVASQUEIRA - SOCIEDADE AGRÍCOLA D. DINIZ, SA
17

Onde antes morava um pomar de romãzeiras é hoje o terroir para as castas de Touriga Franca e Syrah a partir das quais é produzido este tinto. A Vinhas das Romãs, que dá nome a este topo de gama dos vinhos que têm colheita todos os anos, é berço para um daqueles vinho que sabemos que não enganam de ano para ano.
Visualmente de cor rubi, intenso, concentrado, de violetas carregados, escuros e de aspecto limpo. Revela no nariz a fruta vermelha e preta madura cheia de frescura, bem delineada e elegante, em maridagem harmoniosa com os traços provenientes do estágio em barrica, especiaria fina, baunilhado  leve, perfil fresco e de conforto. Boca com boa estrutura e volume, macio e aveludado, pronto a dar prazer, a ser bebido, de taninos que não se escondem, mas já redondos e polidos, com grande nota para o equilíbrio, harmonia e elegância com que se apresenta.
Com potencial de guarda o que me faz crescer a curiosidade numa vertical desta referência.

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Telhas 2008 Tinto

TELHAS 2008 TINTO | ALENTEJO | 14,5% | PVP  20€
SYRAH, VIOGNIER
TERRAS DE ALTER CV, LDA
17

A Vinha da Antas, de solo granítico, fornece as castas que compoêm este vinho. Curiosamente, um vinho tinto com uma casta tinta, o Syrah, e uma casta branca, o Viognier, embora numa quantidade muito pequena (cerca de 6%).
Fui deixando, propositadamente, esta garrafa no esquecimento da minha garrafeira pois quando o provei, no ano do seu lançamento, pareceu-me que os 14 meses de barrica ainda lhe definiam muito a tez e que o tempo de dormida em garrafa apenas lhe podia fazer bem. Não me enganei.
Visualmente ainda mantém tonalidades rubi de média concentração, sem que a idade se mostre em demasia. Muito elegante de nariz, com a fruta preta silvestre e de árvore completamente ligada com as notas provenientes da barrica, especiaria fina, perfil fresco, cacau, tostados muito leves, conjunto complexo e desafiante. Cresce a cada momento.
Na boca está agora sem arestas e, apesar da idade, sem rugas, tanino presente, mas macio, elegante e fino. Um vinho que continua a dar muito prazer.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Colinas do Douro Superior 2015 Tinto

COLINAS DO DOURO SUPERIOR 2015 TINTO | DOURO | 14% | PVP  5,99€
TOURIGA NACIONAL, TOURIGA FRANCA, TINTA RORIZ
COLINAS DO DOURO SOCIEDADE AGRÍCOLA, LDA
15,5

Gosto. Gosto quando um tinto em final de dias quentes me consegue fazer olhar de novo para o rótulo e pensar, cá para comigo, "Olha, belo vinho!". Gosto de encontrar nesta gama de preços vinhos que valham a pena trazer até ao meu copo. Para o juntar a uma refeição descontraída e informal. A carne grelhada agradeceu a companhia.
De cor vermelho intenso e concentrado, aspecto limpo. No nariz mostra um bouquet muito bem equilibrado e fresco de fruta vermelha e preta madura, florais delicados, pedregoso e fresco. Na boca destaque para a frescura do conjunto, com bom volume e com a fruta vermelha muito bonita e bem colocada. Funciona como um todo. Final de boca longo e fresco.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails