sábado, 28 de fevereiro de 2015

QM Alvarinho 2013 Branco

QM ALVARINHO 2013 BRANCO | VINHO VERDE - MONÇÃO E MELGAÇO | 13% | PVP  6,50€
ALVARINHO
QUINTAS DE MELGAÇO AGRICULTURA E TURISMO, SA
89 / 100

Sem dúvida alguma, um Alvarinho que em algum momento da sua vida deve provar e beber e que quis beber passado um ano após ter sido colocado no mercado. Como esperava, confirmou todas as boas expectativas que tinha acerca da sua evolução em garrafa. O seu carácter mineral, fresco e citrino manteve-se definido, jovem e com uma acidez estaladiça a mantê-lo num patamar bem alto de vida. Aprimorou nos aromas, um citrino mais elegante e fino, com mais lima e pêssego. Palato com ligeira untuosidade, macio, fresco e alegre. O preço não o torna proibido e bebe-e o ano inteiro.

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Colecção Privada Domingos Soares Franco Moscatel de Setúbal 2004

COLECÇÃO PRIVADA DOMINGOS SOARES FRANCO MOSCATEL DE SETÚBAL 2004 | PENÍNSULA DE SETÚBAL | 17% | PVP  18,95€
MOSCATEL DE SETÚBAL
JOSÉ MARIA DA FONSECA VINHOS, SA
92 / 100

Por vezes esquecemos que o Moscatel faz parte de uma tríade maravilhosa que existe em Portugal. Os vinhos Madeira, Porto e Moscatel encantam qualquer um e deixam qualquer um sem palavras. A José Maria da Fonseca é um dos produtores ícones de Moscatel de Setúbal e coloca agora no mercado a colheita de 2004 deste néctar delicioso. É preciso dizer um grande obrigado a esta casa por nos proporcionar experiências a este nível. Ainda sem abrir a garrafa, a sua cor âmbar definida, limpa e brilhante já nos encanta e atrai. Depois no copo, os aromas intensos a laranja, qual perfume, com leve floras, fruta seca, melaço e alguma fruta seca. Envolvência fresca.Na boca está macio, untuoso e redondo. Cheio de fruta, intenso e de final persistente. Mais fresco como aperitivo, menos fresco com sobremesa.

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Quinta de Sant'Ana 2012 Tinto

QUINTA DE SANT'ANA 2012 TINTO | LISBOA | 14% | PVP  9€
TOURIGA NACIONAL, ARAGONEZ, MERLOT
QUINTA DE SANT'ANA
85 / 100

Este é um daqueles vinhos que será sempre uma escolha acertada para levar à mesa. Na minha opinião um vinho que está feito para se gostar à primeira e muito directo. À mesa funciona com comida que tenha estrutura, carne ou peixe assado no forno serão sempre boas opções. Cor rubi, intenso e concentrado, aspecto límpido e jovem. No nariz impera a fruta vermelha e preta madura, notas florais, com boa integração das notas tostadas leves conferidas pelo estágio em barrica. Na boca surge cheio de equilíbrio, harmonioso, com taninos perfeitamente polidos e macios. Boa estrutura e com final de boca persistente.

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Restaurante "Pingo na Brasa" - Gradil

O Restaurante Pingo na Brasa é neste momento o único em Gradil. Fica um pouco escondido da estrada principal e quando chegamos à porta deparamo-nos com um misto de restaurante regional com o piso térreo também dedicado a uma churrasqueira e um primeiro piso, mais aconchegante e recatado.
Quando o visitei decorria a acção Sabores da Tapada Real e com pratos especialmente definidos para esta ocasião, no entanto, facilmente percebemos que é casa habituada a este sabores.

Carla Rodrigues gere o restaurante e é a Chef à frente da cozinha. Sabe o que os seus clientes procuram e procura adaptar a ementa consoante o momento do ano. Pelo Outono e Inverno é possível encontrar sempre pratos de caça, com o tradicional Cozido da região. Durante o Verão os grelhados tomam o destaque à mesa de quem aparece. 

O Javali Estufado estava fantástico. Ficaria ainda num patamar superior com umas batatinhas assadas junto com a carne, mas o facto é que até me esqueci dessa parte. Para comer com prazer.

A Perna de Gamo Fatiada com Castanhas, no ponto. Quem esteja a pensar numa carne mais seca ficará surpreendido pois encontra-se suculenta, ligando na perfeição com a castanha. Também aqui a batata assada no forno subiria ainda mais a boa experiência deste prato.

O acompanhamento de ambos os pratos foi um simples e saboroso duo composto por Arroz Selvagem com Cogumelos Portobello e Grelos Salteados. Um toque diferente com o arroz selvagem, a terra com os cogumelos e os grelos bem salteados.

 Este Doce de Frutos Vermelhos transpira bosque, outono, caça e é de comer até à última colher.

 O Semifrio de Maça, cheio de sabor e a puxar aos dias mais de Inverno e Outono.

Com poucos lugares e com algumas visitas já regulares, o melhor será telefonar a marcar mesa, principalmente quando for Domingo de Cozido à Portuguesa, que de 15 em 15 dias é aguardado por quem conhece.
__________________________
RESTAURANTE PINGO NA BRASA
Tipo de Cozinha: Regional, Caseira, Churrasqueira
Copos de Vinhos Adequados: Sim (a pedido)
Estacionamento: Fácil
Preço Médio Refeição: 13€

Morada: Rua Direita, Nº 49 2665-113 Gradil - Mafra
Telefone: +351 261 963 616 / +351 961 555 964
Na Net: http://pingonabrasa.blogspot.pt/
E-Mail: pingonabrasa@gmail.com
Facebook :https://www.facebook.com/pingo.nabrasa?fref=ts

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Villa Oliveira 2011 Branco

VILLA OLIVEIRA 2011 BRANCO | DÃO | 13% | PVP  32€
ENCRUZADO
O ABRIGO DA PASSARELLA, LDA
93 / 100

Este é um dos brancos do momento para mim. Alguns dirão que ainda está novo, que devo esperar mais um ano pelo menos, mas o facto é que não consigo resistir a este Encruzado feito à maneira antiga, fermentado em curtimenda, e cujas uvas provêm de uma vinha com mais de 40 anos de idade. Impressiona o perfil aromático. Fruta citrina doce, lima, toranja, algum pêssego maduro, uma mineralidade fina e com a madeira perfeitamente envolvida e integrada no conjunto dando-lhe, aqui e ali, uma pinceladas fumadas. Está no ponto para nos perdermos por aqui durante algum tempo. Na boca corresponde com a expectativa criada. De corpo feito, leve untuoso, cheio de vida, com traço mineral sempre presente, fino, fresco e viciante. Também aqui a madeira está bem ligada, passando quase despercebida. Brilha até ao final. Que companhia fez ao bacalhau!

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

Casas Altas Garrafeira 2009 Tinto

CASAS ALTAS GARRAFEIRA 2009 TINTO | BEIRAS | 14% | PVP  9€
TOURIGA NACIONAL
JOSÉ MADEIRA AFONSO
89/ 100

Um Touriga Nacional das Beiras que não usa no rótulo esse chamariz. Imagem escura e simples, com uma certa elegância que não deixa de chamar a atenção. Representa um bom valor para a garrafeira ou para beber desde já, com um preço abaixo dos 10€ que faz dele uma boa escolha na sempre difícil relação qualidade-preço. De cor rubi fechada, concentrada e intensa. No plano aromático, as notas florais e de fruta vermelha e preta madura, destacam-se dos restantes aromas com o compõem. Um pouco fechado de início, onde a notas tostadas, boa especiarias e madeira aparecem bem colocadas e sem excessos. Talvez com mais algum tempo alguma madeira mais saliente ainda se incorpore melhor. Na boca está no ponto, vivaz, com taninos algo marcantes, adstringentes e ligeiramente secos. A fruta madura bem ligada com todo o perfil mais floral, completa-se nas notas que lhe chegam via estagio na barrica. Final longo e persistente.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Os Melhores Do Ano 2014 | Revista de Vinhos

A Revista de Vinhos premiou, na passada sexta-feira 13, ‘Os Melhores do Ano 2014’ no sector do vinho e da gastronomia em Portugal. Digamos que foi tudo menos uma noite azarada. 
A 18.º edição teve este ano teve lugar no Centro de Congressos e Exposições da Alfândega, no Porto e entre ‘Prémios de Excelência’ e ‘Prémios Especiais’ foram cinquenta os galardões entregues nesta que é já considerada como a noite dos "Óscares do Vinho".  

Em ambiente de festa, os ‘Prémios Especiais’ distinguiram pessoas, projectos, empresas e entidades do sector do vinho e da gastronomia; e os ‘Prémios de Excelência’ elegeram os trinta vinhos mais aplaudidos pelo painel de provadores da Revista de Vinhos, publicação para apreciadores exigentes e que este ano está a celebrar o seu 25.º aniversário. 

Este ano houve mais variedade do que em 2013: o lote dos trinta magníficos de 2014 inclui dezanove tintos, quatro brancos, quatro vinhos do Porto, um espumante, um Moscatel e um Madeira. A qualidade do vinho português mostra-se de boa saúde a todos os níveis.

Dezanove categorias e vinte troféus: foi este o saldo dos ‘Prémios Especiais’ de 2014.

Peter Bright, nos vinhos, e José Avillez, na comida, foram os grandes nomes da noite, ao receberem respectivamente os prémios de Senhor do Vinho e Gastronomia “David Lopes Ramos”.

 Produtor Revelação atribuído a João Nicolau de Almeida & Filhos. Enquanto que o Produtor do Ano (Ex-Aequo) foi partilhado pela Wine & Soul e pelo O Abrigo da Passarela.

Como Empresa  do Ano (Vinhos Generosos) foi distinguida a Symington Family States. A Cooperativa 2014 ficou entregue à Adega Cooperativa do Cartaxo, enquanto que a Empresa do Ano ficou para a Bacalhõa Vinhos de Portugal.

O galardão de Enólogo do Ano reconheceu mais uma vez este ano Osvaldo Amado, Enólogo Vinhos Generosos coube a José Manuel Sousa Soares e o prémio para Identidade e Carácter foi entregue à Quinta do Ameal.
A lista continuou com a distinção Viticultura para a The Fladgate Partnership, Organização para a Comissão Vitivinícola da Bairrada, Enoturismo para a Casa de Mateus, Garrafeira do Ano para a Garrafeira Soares, Loja Gourmet para a Casa Gourmet  em Guimarães, Wine Bar para a Dux Petiscos & Vinhos, Restaurante para o São Gabriel no Algarve e Restaurante de Cozinha Tradicional para o Elvira em Braga.

Foram ainda premiados os Vinhos do Ano. Uma lista longa, com um desfilar divertido e informal das diversas caras que fazem a imagem de cada Casa. Parabéns a todos!
Vértice Douro Espumante Pinot Noir rosé 2006
Vértice - Caves Transmontanas

Parcela Única Vinho Verde Alvarinho branco 2012
Anselmo Mendes Vinhos

Quinta de Soalheiro Vinho Verde Alvarinho Reserva branco 2012
Vinusoalleirus

Antónia Adelaide Ferreira Douro tinto 2011
Sogrape Vinhos

Chryseia Douro tinto 2012
Prats & Symington

CV Douro tinto 2012
Lemos & Van Zeller

Quinta da Gaivosa Douro tinto 2009
Alves de Sousa

Quinta da Manoella Vinhas Velhas Douro tinto 2012
Wine & Soul

Quinta da Touriga Chã Douro tinto 2012
Jorge Rosas

Quinta do Monte Xisto Douro tinto 2012
João Nicolau de Almeida & Filhos

Carlos Lucas “20 Anos” Dão tinto 2012
Magnum Vinhos

Carrocel Dão tinto 2011
Quinta da Pellada - Álvaro Castro

Quinta da Vegia Superior Dão tinto 2007
Casa de Cello / Quinta da Vegia

Campolargo Bairrada branco 2011
Manuel dos Santos Campolargo


Luís Pato Vinha Barrosa Bairrada tinto 2011
Luís Pato

Pai Abel Bairrada branco 2012
Mário Sérgio Alves Nuno

1836 DoTejo Grande Reserva tinto 2012
Companhia das Lezírias

Esporão Private Selection Alentejo Garrafeira tinto 2011
Esporão

Incógnito Reg. Alentejano tinto 2011
Cortes de Cima

Marquês de Borba Alentejo Reserva tinto 2012
J. Portugal Ramos Vinhos

Mouchão Reg. Alentejano tinto 2007
Vinhos da Cavaca Dourada

Quinta do Mouro “Rótulo Dourado”Reg. Alentejano tinto 2009
Miguel Louro - Quinta do Mouro

Siza Reg. Alentejano tinto 2009
Adega Mayor

T Quinta da Terrugem Alentejo tinto 2011
Aliança - Vinhos de Portugal

Andresen Porto White 40 anos
J.H. Andresen

Quinta da Romaneira 40 year old Tawny Port
Sociedade Agrícola da Romaneira

Quinta do Noval Porto Vintage 2012
Quinta do Noval - Vinhos

Quinta do Vesúvio Porto Vintage 2012
Symington Family Estates

Alambre Moscatel de Setúbal 40 anos
José Maria da Fonseca Vinhos

Blandy’s Madeira Frasqueira Malvasia 1988
Blandy's Wine Lodge

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Vinha Formal 2003 Branco

VINHA FORMAL 2003 BRANCO | BEIRAS | 13% | PVP  24€
BICAL
LUÍS PATO
91/ 100

As palavras que tenho para escrever são muitas, mas este vinho não precisa de muitas para o descrever. Evolução fantástica de um branco que continua em grande forma, ou está cada vez melhor. Mais uma vez se comprova que não são apenas os tintos que nos dão alegrias passado algum tempo de guarda. As nuances douradas marcam os aspecto visual, límpido, com lágrima persistente, chorosa e lenta. Agarra-nos em primeiro lugar pelos aromas. Floral, com fruta amarela - ameixa - fresca, fruta seca e sem enfado. Vivo no palato, acidez, perfil frutado, com maça verde e alguma secura. Final longo, persistente. Queremos mais. Mas era a última garrafa.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

ECVS 2014 | Os Gloriosos Anos 60 Das Caves São João

Uma das provas especiais no último Encontro Com o Vinho e Sabores de Lisboa organizado pela Revista de Vinhos foi dedicada às Caves São João, aos seus Gloriosos anos 60. Uma verdadeira descoberta de tesouros escondidos das Caves São João, entre brancos, tintos, um abafado e uma aguardente da década de 60 que deslumbra.
A prova foi também o momento para a apresentação de mais uma edição comemorativa do Centenário, agora os 94 Anos de História Caves São João, com a Aguardente Vínica de 1965,

A prova conduzida por Célia Alves, José Carvalheira, Fátima Flores e Manuel José Costa, administradora, enólogo consultor e sócios-gerentes e administradores das Caves São João e contou com a presença do Eng. Pedro Soares. Presidente da Comissão Vitivinicola da Bairrada e ainda  o Designer António Quintas responsável pela desenho e imagem dos rótulos de cada edição comemorativa.

PORTA DOS CAVALEIROS 1964 BRANCO | DÃO | 12% | PVP 113€
MALVASIA, CERCEAL, ENCRUZADO, BORRADO DAS MOSCA/BICAL
Da gama colheita. Um branco de cor amarelo definido com nuances douradas, aspecto límpido. Aromaticamente muito complexo, fruta seca, notas de cera, algum bosque, ligeiro toque melado e fresco. Na boca destaque para a vivacidade deste branco, acidez no ponto, ligeiro untuoso, cremoso, cheio de frescura e um final de boca longo.

FREI JOÃO 1966 BRANCO | BAIRRADA | 11,5% | PVP 74€
MARIA GOMES, BICAL
Cor amarelo de nuances douradas, um pouco mais intenso que o anterior, aspecto limpo e brilhante. No nariz surge com boa intensidade, frescura, notas de fruta seca, fruta passa, alguma tosta com manteiga. Surge na boca fresco, com acidez equilibrada, macio e sedoso, polido e final de boca algo rugoso, rústico e longo.

PORTA DOS CAVALEIROS 1963 TINTO | DÃO | 12,5% | PVP 45€
JAEN, ALFROCHEIRO, BAGA, TOURIGA NACIONAL
Cor tijolo, casca de cebola intenso, média concentração, aspecto limpo. Nariz com notas de evolução, boa evolução, notas de frutos secos, ligeiros tostados, ameixas pretas passa, especiado e fresco. Na boca com estrutura para continuar durante mais uns anos, adstringente, seco, a fazer salivar, com fruta compotada, vivo, com uma duração de boca final longo. Excepcional.

FREI JOÃO RESERVA 1963 TINTO | BAIRRADA | 13,1% | PVP 113€ (MAGNUM)
BAGA, CASTELÃO DA BAIRRADA, OUTRAS
Cor granada, alguma casca de cebola e notas tijoladas leves, bonita tonalidade. Nariz com intensidade média, algumas notas resina, fresco, caruma, pinheiro, muito balsâmico e fresco. Boca ainda cheia de vida, com perfil adstringente, seco, enchendo o palato, quase mastigável, com grande profundidade. Final de boca longo, fresco. O tamanho da garrafa a ter a sua influência.

PORTA DOS CAVALEIROS 1966 TINTO | DÃO | 12,5% | PVP 40€
DAO, TINTA RORIZ, ALFROCHEIRO, JAEN, TOURIGA NACIONAL
Cor com notas de alguma evolução, menos concentração, mais tijolo e casca de cebola, aspecto limpo. Aromas com algum volátil inicial, fruta passa preta, frutos secos, algum bosque, vegetal e fresco. Boca macia, aveludada, com acidez equilibrada, ainda alguma fruta, vegetal fino e com grande final de boca. Lento no final e guloso.

FREI JOÃO 1966 TINTO | BAIRRADA | 12,2% | PVP 40€
Cor granada, média concentração e mais aberto no bordo do copo. Aromas que não enganam quanto à sua idade, mas que deixam a ideia que a ideia não importa. Fresco, notas de bosque, turfa molhada, terroso e vegetal. Boca cheia de força, mastigável, cheio e robusto. Um portento de boca, com um final de boca extenso e fresco.

PORTA DOS CAVALEIROS RESERVA 1966 TINTO | DÃO | 12,6% | PVP 113€ (MAGNUM
Cor mais aberta, nuances de casca de cebola vermelha, limpo. Aromas um pouco diferentes dos anteriores, algumas notas de húmus, folhas de bosque molhadas, fruto seco, balsâmico e de grande frescura. Estrondoso na boca, pujante e com uma acidez top, fruta ainda presente, guloso, untuoso e com uma frescura espectacular. Um final de boca longo. Magnifico.

FREI JOÃO RESERVA 1966 TINTO | BAIRRADA | 12,3% | PVP 113€ (MAGNUM)
Cor granada com nuances tijoladas, mais profundo e intenso que o anterior. Aromas ainda com grande jovialidade para a idade, com notas de fruta preta, bosque, alguma resina e caruma, fundo balsâmico e fresco. Boca robusta, acidez palpitante, seco, vivaz, grande vida e com final extenso, fresco e muito elegante.

CAVES SÃO JOÃO RESERVA PARTICULAR 1967 TINTO | BAIRRADA | 12,4% | PVP 113€
Cor granada, com notas de evolução, casca de cebola, algum tijolo, , mais concentrado no núcleo e bastante mais aberto no bordo do copo. Aromas cheios de frescura, fruta seca, algum bosque e leve resinoso. Grande boca, espesso, mastigável, com uma possibilidade de guarda incrível, cheio de vida e pujança. Final de boca interminável.

ABAFADO 1960
Um estreia de um projecto a ser lançado no futuro e ainda sem data de lançamento anunciada, mas que deixa desde já água na boca, ou melhor... abafado. Cor âmbar definida. Aroma algo metálico, fruta passa, licorice, pêssego passa. Na boca é um docinho, muita fruta passa, melado, gordo e com final com boa acidez e a equilibrar o doce.

EDIÇÃO COMEMORATIVA DO CENTENÁRIO 94 ANOS DE HISTÓRIA CAVES SÃO JOÃO AGUARDENTE VÍNICA 1965 | BAIRRADA | PVP 250€
Estagiou durante 45 anos em barricas avinhadas com Vinho do Porto e foi obra do Enólogo Martins da Costa. Chega-nos hoje com uma cor âmbar com esverdeados bem notados, intenso no nariz, rico, com fruta seca, tostados integrados, ligeiro toffee, apetece ficar por ali apenas a desfrutar do momento. Macia no palato, veludo puro. Uma aguardente vínica envelhecida que não deixará ninguém indiferente.

quarta-feira, 11 de fevereiro de 2015

DOW'S Nirvana Reserve Port

DOW'S NIRVANA RESERVE PORT | VINHO DO PORTO | 20% | PVP  15€
SYMINGTON FAMILY ESTATES, VINHOS , LDA
88/ 100

Chocolate e Porto, Porto e Chocolate. Uma combinação que não podemos nunca esquecer quando falamos de um de de outro. A Dow's quis aproximá-los ainda mais com este Nirvana Reserve Port especialmente feito para acompanhar chocolate. Da mais simples tablete até ao mais complexo doce de chocolate. A sua cor retinta, completamente opaco, leva-nos para um LBV ou um Vintage novo, mas logo no nariz temos um Porto mais aberto, mais floral e intenso, a fruta bem madura, fresca e apelativa. Na boca taninos bem seguros e opulentos. A ligação ao chocolate é natural. A própria textura pede por ele. Complexo, com a especiaria no ponto e com chocolate ao lado. Puro Nirvana .

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Esporão Reserva 2012 Tinto

ESPORÃO RESERVA 2012 TINTO | ALENTEJO | 14,5% | PVP  14,95€
ARAGONEZ, TRINCADEIRA, CABERNET SAUVIGNON, ALICANTE BOUSCHET
ESPORÃO SA
89/ 100

Este será sempre para mim um dos clássicos do Alentejo. O Reserva da Esporão com o seu rótulo sempre diferente de ano para ano, mostrando ao consumidor que vinho e arte ligam na perfeição. O 2012 trás uma obra original criada por Alberto Carneiro inspirada na paisagem alentejana. Quanto ao vinho está agora mais pronto do que na primeira vez que o provei, ainda no ano passado. Cor rubi intenso e concentrado, com aromas onde a fruta vermelha e preta madura sobressaem em primeiro lugar, com notas bem ligadas de leve tosta e especiaria, fumo e cacau. Na boca reconheço-lhe o perfil, com estrutura, corpulento e com volume, aparecendo a fruta madura em bom plano de equilíbrio com as especiarias e outras notas que lhe deu o estágio de 12 meses em barricas de carvalho americano e francês. Longo e persistente no final. A beber ou a guardar sem medo do que o tempo lhe irá fazer.

Quinta do Ortigão | Da Bairrada Com Elegância

A Quinta do Ortigão está localizada mesmo no centro de Anadia, tanto que até parece estranho que no meio de um circuito urbano, entre rotundas, casas e super mercados se possa na curva seguinte encontrar um produtor de vinho.

Apenas em 2001 se começou a produzir vinho de quinta, com o criar de condições para uma produção moderna assente num conjunto de castas que desde há quatro gerações vinham sendo aposta para que se pudesse produzir um dia vinhos de qualidade, em particular, Espumantes de qualidade.  O Enólogo escolhido foi o bem conhecido Osvaldo Amado que aqui tem conseguido deixar a sua marca.

Após uma visita à adega e às instalações da Quinta, lugar a uma pequena conversa com Pedro Alegre e com Ana Lemos acerca da história da produção de vinho na Quinta do Ortigão. Tempo suficiente para perceber a grande paixão que os move, para perceber o grande orgulho que há em Augusto Brandão Alegre, primeiro homem a produzir espumantes em Portugal, e que começou este projecto e em toda a família em volta do projecto. 

Seguimos então para a prova dos vinhos da casa. Apenas um tinto e uma novidade com o nome de Vindima tardia. Uma aposta, na minha opinião, à qual se deve dar seguimento. Diferente do habitual, facilmente ganhará o seu espaço.
Destaco ainda a imagem adoptada para vestir as garrafas. Excelente escolha. Simples e directa, mas com algo de sofisticado que faz com que chame a atenção, com que reparemos nelas.

QUINTA DO ORTIGÃO 2013 BRANCO | BEIRA ATLÂNTICO | 13% | PVP 4,98€
ARINTO, BICAL
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
84 / 100
Cor amarelo citrino, aspecto limpo e brilhante. Aromas citrinos,bastante maça verde, traço mineral, fresco e directo. Na boca continua fresco, boa acidez, estaladiço, fruta fresca, maçã verde e com boa persistência final. Uma boa aposta para peixe branco grelhado ou marisco cozido.

QUINTA DO ORTIGÃO 2013 BRANCO | BEIRA ATLÂNTICO | 13% | PVP 6€
SAUVIGNON BLANC
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
86 / 100
Cor amarelo citrino, aspecto novo e brilhante. No nariz o Sauvignon está cá, não tão massudo e frutado, mais mineral, elegante e fresco. Boca com acidez equilibrada, muita finess, elegância  e um final de boca longo. Só ou com uma ementa à base de peixe, marisco e carnes brancas.

ESPUMANTE ORTIGÃO BRUTO BRANCO | BEIRA ATLÂNTICO | 12% | PVP 4€
BAGA, ARINTO, BICAL, MARIA GOMES
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
84 / 100
Um espumante com uma relação qualidade-preço fantástica. Fresco, leve e directo. Cor amarelo citrino, com bolha fina e persistente. Nariz com fruta verde, maças, limonado, fresco. Na boca com uma espuma cremosa fina, acidez equilibrada, continuação de frescura e final que nos limpa o palato.

ESPUMANTE QUINTA DO ORTIGÃO BAGA BRUTO 2012 BRANCO | BAIRRADA | 12% | PVP 8,95€
BAGA
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
88 / 100
Gostei muito deste Blanc de Noir 100% baga de cor alambreado. Bolha fina, persistente com aromas a fruto vermelho e preto, alguma cereja, cassis traço mineral e frescura. Na boca mousse cremosa, cheio de fruta, acidez no ponto, elegante e fresco. 
 
QUINTA DO ORTIGÃO RESERVA BRUTO 2010 BRANCO | BAIRRADA | 12% | PVP 12,65€
ARINTO, BICAL, CHARDONNAY
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
89 / 100
Um bruto natural. O meu tipo de espumante preferido. O meu eleito desta manhã. Aromaticamente complexo, com notas tostadas a temperar levemente fruta de caroço, alguma fruta seca e pão a levedar. De bolha fina, persistente, com espuma leve, cremoso e muita maçã verde e marmelo. Fino e mineral. Muito bom.

ESPUMANTE QUINTA DO ORTIGÃO 2013 ROSÉ | BEIRA ATLÂNTICO | 12% | PVP 7€
BAGA, TOURIGA NACIONAL
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
84 / 100
Cor salmonada, rosado claro e de aspecto cativante. Apresenta bolha fina, persistente, com aromas marcadamente a frutos vermelhos, morango, groselha, alguma cereja e notas florais que compõem o conjunto. Na boca tudo o que se pretende de um rosé. Fresco, leve, fruta vermelha bem composta, sem excessos. Perfeito para piscina. Descontraído e com imagem.

QUINTA DO ORTIGÃO 2010 TINTO | BEIRA ATLÂNTICO | 13% | PVP 4,80€
BAGA, TOURIGA NACIONAL
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
84 / 100
O único vinho tinto desta casa. De cor granada, matizes violetas, intenso. Nariz com fruta madura, alguma compota, notas de barrica, tostas leves, especiarias. Boca com estrutura, taninos presentes, mastigável e corpolento. Está novo e pede comida.

QUINTA DO ORTIGÃO VINDIMA TARDIA 2011 BRANCO | BAIRRADA |  16,5% | PVP €
VINHAS VELHAS
QUINTA DO ORTIGÃO SOC. AGRO-TURÍSTICA, LDA
89 / 100
Uma vindima tardia que não será uma colheita tardia pois não chegou a ter o fungo da podridão nobre que é essencial para esse tipo de vinho. Uvas sobrematuradas foram usadas para compor este vinho. Ainda assim entrou-me cá no goto. Cor âmbar definido, intenso. Aromas flor de laranja, laranja confitada, melados. Na boca entra doce, acidez logo de seguida a cortar o doce, alguma laranja confitada, termina fresco. No inicio de refeição com um foie gras ou no final com um queijo.

______________________
QUINTA DO ORTIGÃO
BAIRRADA
ADEGA | LOJA
3780-227 ANADIA
Aberto de segunda a sexta-feira das 8:30h às 12:30h e das 14:00h às 17:30h 

Telefone: 231 503 209
Email: allemos@quintadoortigao.com
Na Net: Facebook
GPS: N: 40º26'10, W: 8º26'43

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails