domingo, 31 de janeiro de 2016

Anthea Alvarinho 2013 Branco

ANTHEA ALVARINHO 2013 BRANCO | VINHO VERDE | 12% | PVP 8€
ALVARINHO
HOTEL REGUENGO DE MELGAÇO, SA
15,5

Produzido pelo Hotel Reguengo de Melgaço, este 2013 mostrou que tem capacidade para ser um vinho de guarda, dois ou três anos, mas que será no ano de colheita o melhor período para o seu consumo. Alguma desilusão principalmente por mostrar já alguma falta de nervo que ainda se esperava num Alvarinho.
Cor amarelo citrino, esverdeados leves, aspecto límpido. Nariz elegante, fruta fresca, maracujá, lima, alguma fruta de caroço, flores brancas, boa mineralidade e frescura. Na boca surge com acidez a secar o palato, muita fruta citrina, algum amargor no final de boca, a pedir um pouco mais de nervo e comprimento final.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2016

Cabriz Reserva 2012 Tinto

CABRIZ RESERVA 2012 TINTO | DÃO | 13,5% | PVP 7,50€
TOURIGA NACIONAL, TINTA RORIZ, ALFROCHEIRO
DÃO SUL SOC VITIVINÍCOLA, SA
90 / 100

O mesmo blend de castas em relação ao Colheita Seleccionada agora com estágio de 9 meses em barricas de carvalho francês. Subimos alguns degraus qualitativos em relação ao primeiro, o que é perfeitamente natural, e no nosso copo está agora um vinho com mais estrutura, mais complexo e com o estágio em barrica a conferir-lhe outra profundidade.
Cor rubi intenso, com bonitos violetas, mais escuros núcleo e de aspecto limpo. No nariz a fruta vermelha e preta madura marca o primeiro contacto,sóbira e limpa, aparecendo posteriormente notas florais, algum fruto do bosque, alguma frescura de pinheiro, tosta leve e bem integrada. Surge vivaço na boca, com taninos presentes, mas macios, com estrutura, a encher a boca, num perfil cheio de fruta e onde sente verdadeiramente a fruta e um ligeira especiaria fina. A barrica não lhe cerrou a fruta. Equilibrado, com bom comprimento final e fresco.

quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

Casal Faria Reserva 2009 Branco

CASAL FARIA RESERVA 2009 BRANCO | TRÁS-OS-MONTES | 13,5% | PVP  15€
VINHAS VELHAS
FERNANDO VICENTE BACALHAU FARIA
88 /100

Caminho hoje por Trás-Os-Montes, cada vez mais por Trás-Os-Montes, mas hoje especialmente pelas memórias que não esqueço. Uma região que aos poucos vai chamando a si mais interesse pelos vinhos que produz, com cada vez mais qualidade, embora ainda pouco conhecidos e reconhecidos pelo consumidor. Este é um branco feito a partir de vinhas velhas e com três anos de estágio em barricas usadas onde fermento sobre as borras finas.
O resultado é um vinho de cor amarela definida, palha seca, com leves dourados e de aspecto límpido. Aromas complexos, muita fruta branca, pêssego, ameixa, fruta seca bem ligada, ligeiras notas de mel, a mostrar alguma evolução nesta altura, sem deixar de ter frescura. Boca com algum volume, untuoso, macio, surpreendendo com algum nervo, fruta madura fresca, boa amplitude e consistência e com final de boca persistente.
Mostra ser um vinho para a mesa, para que se lhe junte comida, um prato de peixe do rio.

domingo, 24 de janeiro de 2016

Quinta dos Currais Síria 2014 Branco

QUINTA DOS CURRAIS SÍRIA 2014 BRANCO | BEIRA INTERIOR | 13,5% | PVP  5€
SÍRIA
QUINTA DOS CURRAIS - SOCIEDADE AGRÍCOLA LDA
88 /100

Continua a ser um verdadeiro Blockbuster. A casta Síria continua a ter na Beira Interior o terroir que lhe dá o carácter que mais aprecio nos vinhos que vou bebendo. A frescura, mineralidade e acidez citrina que apresentam deliciam-me e este é um desses casos a merecer mais atenção.
De cor citrina, com leves esverdeados e aspecto limpo.  Nariz onde a fruta citrina, as notas de mineralidade e a frescura predominam e na boca apresentando corpo médio,  alguma cremosidade, cheio de equilíbrio e de perfil sumarento com a fruta citrina e maçã verde. Este ano um pouco menos alcoólico e ainda mais elegante e fresco. De final longo e fresco.

sábado, 23 de janeiro de 2016

Quinta do Gradil Com Novidades nos Vinhos e no Restaurante

A grande novidade para quem visita a Quinta do Gradil está relacionada com o seu Restaurante que, desde Setembro passado, conta com um novo Chef a liderar os seus destinos. O Chef Daniel Sequeira assumiu o papel de reformular o conceito do restaurante e trazer novos sabores, novas ideias e novas harmonizações com o vinho aqui produzido.

Mas também nos vinhos existem novidades. As colheitas de branco, tinto e do espumante, que agora é Bruto Natural,  mostram um produtor que, colheita após colheita, vai refinando as suas gamas e revelando um terroir de vinhos brancos, mas também de tintos com grande frescura,
Na minha última visita à Quinta do Gradil foi possível experimentar ambos, num almoço em que o Chef Daniel Sequeira harmonizou a sua cozinha com os vinhos produzidos na casa de forma certeira e sem mácula. Houvesse já o colheita tardia, que estará prestes a sair para o mercado, para acompanhar a sobremesa e a combinação teria sido perfeita.

QUINTA DO GRADIL SAUVIGNON BLANC & ARINTO 2014 BRANCO | LISBOA | 12,5% | PVP 6,99€
SAUVIGNON BLANC, ARINTO
QUINTA DO GRADIL, SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, SA
Cor amarelo citrino, nuances esverdeadas, aspecto límpido e brilhante. Aromas intensos, fruta citrina fresca, fruta de caroço, algum vegetal, espargo e boa mineralidade. Boca com grande acidez, boa secura, citrino, maçã verde, ligeiro vegetal, final longo.
Fez companhia ao inicio de de conversa e às entradas na mesa como a Tábua de Fumados e de Queijos com Doce de Pêra, às Azeitonas Temperadas e ao Azeite da Casa.

QUINTA DO GRADIL CHARDONNAY 2014 BRANCO | LISBOA | 12,5% | PVP 6,99€
CHARDONNAY
QUINTA DO GRADIL, SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, SA
Cor amarelo citrino, definido, esverdeados bonitos. Aromas intensos, fruta fresca, citrinos, fruta de caroço, ameixa amarela, mineral, tosta leve e algum salino. Boca com boa expressão da fruta, com corpo, ameixas amarelas, fresco, cremoso, ligeiro untuoso, final longo.
Ligação à com Alheira Com Ovo de Codorniz e Grelos Salteados.

QUINTA DO GRADIL RESERVA 2013 BRANCO | LISBOA | 13,5% | PVP 9,99€
CHARDONNAY , ARINTO
QUINTA DO GRADIL, SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, SA
Cor amarelo citrino, aspecto ainda jovem, límpido. Aromas com boa intensidade, fruta de caroço fresco, citrinos leves, notas de barrica bem integradas, frescura. Boca com estrutura, grande vivacidade, acidez, bergamota, algum verde, especiaria fina. Longo final.
Um branco reserva que aprecio muito e que fez ligação com o Bacalhau Com Crosta de Broa.

QUINTA DO GRADIL SYRAH 2014 TINTO | LISBOA | 14% | PVP 9,99€
SYRAH
QUINTA DO GRADIL, SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, SA
Cor rubi, intenso, violetas definidos, escuros, de aspecto límpido. Aroma a fruta preta madura, cereja preta, amoras silvestres, notas de cacau, alguma baunilha, fresca. Boca cheia, boa estrutura, taninos presentes, macios, fruta madura bem colocada, bom comprimento.

QUINTA DO GRADIL ESPUMANTE BRUT NATURE 2013 BRANCO | LISBOA | 12,5% | PVP 9,99€
CHARDONNAY, ARINTO
QUINTA DO GRADIL, SOCIEDADE VITIVINÍCOLA, SA
Cor citrina, bolha de fina e persistente. Nariz elegante, fruta em boa proporção, maça e marmelo em destaque, biscoto fino, fermento de pão, freco. Boca com espuma leve e fresca, com boa secura, acidez estaladiça e final de boca longo e elegante.
Casou na perfeição com uma feliz interpretação do Requeijão com Doce de Abóbora e Nozes.
______________________________________
QUINTA DO GRADIL
RESTAURANTE QUINTA DO GRADIL
Aberto Segunda, Quarta, Quinta, Sexta, Sábado e Domingo ao almoço. Sexta e Sábado ao jantar. Os almoços são servidos das 12 às 16 horas e os Jantares das 19 às 22 horas.

Tipo de Cozinha: Regional / Portuguesa
Copos de Vinho Adequados: Sim
Estacionamento: Fácil

Morada: EN115 Vilar - CADAVAL
Telefone: +351 262 770 000 ou +351 914 909 216

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Arinto dos Açores Sur Lies 2014 Branco

ARINTO DOS AÇORES SUR LIES 2014 BRANCO | PICO | 13% | PVP 29€
ARINTO
AZORES WINE COMPANY, LDA
17

O Arinto dos Açores, o Enólogo António Maçanita e os Açores. Desta conjugação de factores nasce este branco feito a partir da casta autóctone dos Açores e que, do Arinto do Continente, apenas tem o nome e a sua acidez como parecido. António Maçanita, quis fazer destas 1600 garrafas algo único. Não só a acidez e salinidade do Arinto dos Açores, mas também uma fermentação sobre borras que lhe deu um perfil mais musculado e intenso em cada pormenor.
Apresenta cor amarelo citrino, nuances esverdeadas, aspecto límpido. Aromas intenso a lima verde, o citrino do limão, alguma fruta tropical ainda pouco amadurecida, ligeira tisana, salino e cheio de frescura. Na Boca, sente-se musculado, com untuosidade e corpo, ao mesmo tempo com perfil salino, cheio de citrinos, acidez equilibrada, cheio e fresco. Com profundidade e com potencial de envelhecimento enorme.
Aqui, sem dúvida, que coloco na mesa as bem conhecidas Cracas, umas ostras com pingo de limão e peixe da região.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Quinta Vale do Ruivo Reserva 2011 Tinto

QUINTA VALE DO RUIVO RESERVA 2011 TINTO | BEIRA INTERIOR | 14% | PVP 8,90€
RUFETE, BAGA, FOLHA FIGUEIRA
JOSÉ MADEIRA AFONSO
88 / 100

José Madeira Afonso, produtor do Casas Altas, apresenta-nos aqui um tinto de altitude, produzido a partir de vinhas centenárias e enologicamente trabalhado ao mínimo para se poder evidenciar o terroir e a frescura do mesmo.
Cor granada intensa e concentrada, núcleo fechado e de aspecto limpo. Nariz onde predomina a fruta silvestre, amora madura, fruta azul, cassis e mirtilo, algum vegetal, herbáceo, azeitona verde cortada, com álcool a notar-se um pouco, mas com boa frescura. Na boca surge com alguma secura, adstringente, boa acidez, com fruta preta madura a sobressair, amora e cereja preta, algum doce e licorado, com final de boca longo.

segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Quinta D'Amares Loureiro 2015 Branco

QUINTA D'AMARES LOUREIRO 2015 BRANCO | VINHO VERDE | 11% | PVP 2,99€
LOUREIRO
QUINTA D'AMARES VINICULTURA, LDA
84 / 100

Engraçado como não sendo um vinho que à partida nos impressione, seja todavia um vinho que nos dá muito prazer e, neste caso, tenha tido maridagem à altura com o pica-pica anterior ao prato principal da refeição. Nem sempre assim é, mas este superou as expectativas.
Jovem na cor, praticamente transparente, límpido e brilhante. Intenso de aromas, muita fruta, notas tropicais, pêra rocha fresca, acabada de cortar, floral e com aquela nota característica do loureiro. Na boca pleno de juventude, é assim que o queremos, com boa acidez, equilibrado, sumarento e mineral. Por cá fica na algum tempo, a limpar o palato e a pedir que continuemos com o prato. Leve e descontraído.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Imperial Gran Reserva 2007 Tinto

IMPERIAL GRAN RESERVA 2007 TINTO | RIOJA (ESPANHA) | 13,5% | PVP 40€
TEMPRANILLO, GRACIANO, MAZUELO
CVNE - COMPAÑIA VINICOLA DEL NORTE DE ESPAÑA
92 / 100

Regresso a Espanha, mais particularmente à Rioja, para um dos vinhos sensação dos últimos anos em revistas e pontuações dos Senhores habituais da praça. Havia que confirmar pessoalmente a qualidade desta colheita.
De cor granada, intenso e concentrado, com vermelhos brilhantes e de aspecto limpo. Fruta vermelha e preta madura no nariz, intenso sem ser exuberante, com este lado mais frutado bem ligado com as notas vindas do estágio em barrica, balsâmicos frescos, especiaria bem colocada, elegante. Na boca surge elegante, muito harmonioso, muito pé ante pé, cheio de fruta bem fresca e sumarenta, de tanino polido, pronto a beber e acidez vivaz. Mostra-se longo, elegante e fresco de final, puxando também ele comida.

terça-feira, 12 de janeiro de 2016

Cartuxa 2014 Branco

CARTUXA 2014 BRANCO | ALENTEJO | 14% | PVP 8,90€
ANTÃO VAZ, ARINTO
FUNDAÇÃO EUGÉNIO DE ALMEIDA
16

Como é bom voltar ao Cartuxa colheita branco e sentir novamente aquela sensação de satisfação pelo vinho que se tem no copo. Sinceramente gostei bastante e surpreendeu-me pela positiva. Pelo seu perfil mais fresco e com nervo suficiente para nos secar a boca sem adocicados em desuso.
De cor amarelo citrino, esverdeados abertos, aspecto jovem e limpo. No nariz a fruta de caroço e citrina mostra-se limpa, fresca e elegante, com algum vegetal muito ao de leve. Boca com expressão, com corpo, acidez acutilante, a secar o palato, muita maçã verde, citrino limonado, limpo e fresco e onde os seus 14 de álcool passam completamente despercebidos. Final extenso, fresco e elegante. Recomenda-se.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2016

IIIº WINE BLOGGERS CHALLENGE | 4 Fevereiro 2016

O desafio neste IIIº Bloggers Challenge será em Lisboa, no Restaurante Volver de Carne Y Alma, e coloca frente a frente mais dois Bloggers bem conhecidos da Blogosfera.

Num jantar aberto ao público 2 Bloggers irão harmonizar a ementa sugerida pelo Restaurante com vinhos da sua carta. Irão justificar as suas escolhas, irão conversar com os participantes, irão transmitir experiências de vinho, irão comunicar o vinho, a comida e o seu consumo. 
Serão ao todo 8 Vinhos desde recepção, entradas, peixe, carne e sobremesa. Aceita participar?
Siga toda a informação na página de Facebook do Evento em Bloggers Challenge.

EMENTA

À CHEGADA
Empanadas ‘VOLVER’

ENTRADAS NA MESA
 
Mix Tapas Volver com Pana cotta ‘VOLVER’ Y Scones, 
‘Chorizo’, Quinoa, Arandos, Coentros e
Ovo Fumado, Rosti de batata-doce, Espargos Y Azeite trufado

PRATO PEIXE
Polvo ‘À Oaxaca’,
Polvo, Cogumelos, Bacon, Malaguetas, Espinafres, Banana

PRATO CARNE
‘Baby beef’
Vazia Maturada, Pimento de Piquillo, Mesclum de Batatas, Legumes grelhados

SOBREMESA
‘O Chocolate, o amendoim e o Caramelo’

ÁGUA Y NESPRESSO

Preço por pessoa: 38€
Devido ao número de lugares limitado a Inscrição é obrigatória e deve ser efectuada para: volver@volver.pt, comerbeberlazer@gmail.com ou para os telefones 217598980 / 966011180

sábado, 9 de janeiro de 2016

Quinta do Castelinho Vintage 1999

QUINTA DO CASTELINHO VINTAGE 1999 | PORTO VINTAGE | 20% | PVP 30€
CASTELINHO VINHOS, SA
16

O vinho do Porto Vintage é apenas declarado em anos de excepcional qualidade. São anos especiais. Não sendo 1999 que se possa considerar nesse nível, não deixou todavia de ser especial a nível pessoal, o que faz com que tenha bebido com redobrado prazer.
A sua cor, de tonalidade vermelha e de média intensidade, mostra que os anos estão a passar. No plano aromático mostra-se muito bem, com muita fruta madura ainda presente, especiarias bem presentes, pimenta rosa, compota de frutos vermelhos, harmonioso e fresco. Cheio de vida na boca, boa acidez, untuoso e com bom corpo, persiste, mostra bem a fruta madura, volta a sensação de compota, fruta silvestre, melado e com final intenso e muito elegante.
O bolo de chocolate que o acompanhou não foi o Melhor Bolo de Chocolate do Mundo, mas foi com toda a certeza o melhor bolo de chocolate que alguma vez comi e eu já comi o tal que ostenta o nome. Chegou-me por pedido, pela mãos das Festas Com Talento e que talento.

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

A Queijada de Queijo Velho da Ilha de São Miguel do Chef Paulo Redondo


Na última edição do Wine In Azores tive o prazer de ficar a conhecer o Chef Paulo Redondo e a sua docaria regional.  Engraçado como fiquei a conhecer uma das suas novidades para o evento. Acabara eu de jantar e trouxe-me à mesa um prato com um doce que desconhecia. Pediu-me para provar e que depois lhe desse uma opinião. 

Chegou-me à fatia, assim com ar de mal cozido e com uma textura de queijada. O aroma não enganava. Levava queijo. Agradou-me e lancei-me na a prová-lo. Num ápice desapareceu do prato. Dei logo a provar à mesa toda que só descansou quando já não havia mais no prato. Delicioso. Fui de imediato falar com o Chef Paulo Redondo que me disse tratar-se de uma novidade. Uma Queijada de Queijo Velho da Ilha de São Miguel que era resultado de várias experiências e tendo por base receitas antigas da doçaria tradicional dos Açores. Aprovadíssimo!!!

Um doce viciante para os amantes de queijo, intenso e bastante equilibrado. A pedir fatia atrás de fatia ou queijada atrás de queijada. Com um licoroso dali de perto e está feito.

Oportunidade para conhecer também as Queijadas de Pimenta da Terra. A principio estranhamos, mas o facto é que a ligação doce-salgado-especiado funciona na perfeição. A repetir numa próxima viagem à Ilha de São Miguel.
____________________________
PAULO REDONDO SABORES
Ponta Delgada - São Miguel
paulo.redondo@gmail.com
Contacto: +351 914 146 920

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Vasques de Carvalho | Ouro em 10, 20, 30 e 40 Year Old Tawny Port

10, 20, 30 e 40 Anos. Tawnies vestidos a preceito, linha de luxo, apontando na direcção para onde a Vasques de Carvalho quer seguir com os seus vinhos, imagem a cortar com o que de mais tradicional se costuma ver nos Portos e uma aposta clara na qualidade e no prestigio. 
Apesar de apenas recentemente se ouvir falar deste produtor com mais insistência,  a família Vasques de Carvalho conta com raízes bem fortes por terras do Douro, sendo que, a ligação à produção de vinhos generosos, vendendo parte às casas exportadoras e guardando outra parte para si, envelhecendo-a e acrescentando-lhe valor, remonta a meados do século XIX.

A meio do século XX, iniciou a actividade de comerciante de vinho generoso. A família vinificava as uvas que adquiria a terceiros e vendia depois ao comércio exportador. Desta forma, houve um significativo aumento do stock de vinho generoso que permitiu que já nos anos 70 pudesse receber o estatuto de Produtor Engarrafador de Vinho do Porto.
A empresa Vasques de Carvalho foi assim constituída no ano 2000, pelos herdeiros Maria Amélia Pereira Lopes diversificando a gama dos produtos vendidos com a adição ao seus portfolio de vinhos DOC Douro.

Em 2012 houve a partilha de bens pelos herdeiros tendo o actual sócio administrador ficado com a empresa Vasques de Carvalho e stocks de vinhos até então armazenados. 
O objectivo era então crescer, adquirir dimensão e acrescentar valor aos vinhos generosos com bastante idade que detinha (e detém), apontando armas para mercados mais exigentes, sofisticados e de prestigio, associando-se à Kurtpace SA que lhe permitiu a aquisição de uvas e vinhos de alta qualidade para a produção de vinhos do Porto de categorias especiais e topo de gama de DOC Douro.

Os Tawnies datados são assim os primeiros filhos, nos Portos especiais, desta história. Impacto primeiro, sem dúvida, o visual, toda a garrafa brilha e cativa, mas o interior revelou-se também puro Ouro.

VASQUES DE CARVALHO 10 YEARS OLD TAWNY PORT | 20% | PVP 40€
VASQUES DE CARVALHO SOC AGRIC LDA
16,5
Lote onde a idade mínima é de 7 anos e a máxima de 14. Apresenta Cor âmbar,  definida e de aspecto luminoso. Aromas intensos, fruta seca, alguma passa, com a ameixa e o figo seco a mostrarem-se bem, ligeiro vinagrinho. Boca com estrutura, untuoso,  cheio,  cremoso,  acidez no ponto, vivaz, cheio de frescura e prolongamento de boca.

VASQUES DE CARVALHO 20 YEARS OLD TAWNY PORT | 20% | PVP  80€
VASQUES DE CARVALHO SOC AGRIC LDA
17
Nota-se aqui um salto em relação ao 10 anos. Aqui o lote compreende a idade de 12 e 25 anos. Cor âmbar,  ligeiros esverdeados e amarelados, de aspecto límpido. Nariz com fruta seca, nozes, avelãs,  amêndoa torrada, figo seco, sensação de frescura. Boca cheia, corpulento, cremoso, cheio de vida, caramelos, figo seco, grande equilíbrio e harmonia e um final de boca longo e elegante.

VASQUES DE CARVALHO 30 YEARS OLD TAWNY PORT | 20% | PVP 120€
VASQUES DE CARVALHO SOC AGRIC LDA
17,5
O 30 anos mostrou estar no momento fantástico sendo que aqui chegam a entrar lotes até 40 anos. Visualmente mostra cor âmbar intenso,  um pouco mais concentrado, com ligeiro esverdeados,  azeitona e de aspecto limpo. Aromas cheios de elegância,  finess mesmo, mais intenso na fruta seca, nozes, notas meladas, com grande equilíbrio e complexidade e  com uma frescura e vivacidade impressionantes. Na boca não desilude e continua a impressionar. Grande estrutura, untuoso, toque de seda, cremoso, com  toda a fruta seca e passa a mostrar-se também neste momento da prova, de perfil mais seco que o anterior, fino e complexo. Está cá tudo o que queríamos.

VASQUES DE CARVALHO 40 YEARS OLD TAWNY PORT | 20% | PVP 200€
VASQUES DE CARVALHO SOC AGRIC LDA
18,5
Neste 40 anos estão lotes que começam nos 25 anos e que vão bem além dos lotes de 40 anos. Alguns lotes com mais de 100 anos e isso nota-se de imediato. Aliás, foi uma das primeiras questões que surgiu logo após a prova. Cor âmbar intensa e concentrada, esverdeados e ligeiros acastanhados bem presentes. No nariz está complemente viciante, agarra a nossa atenção logo desde o inicio. As notas de fruta passa, melaço, caramelo, com ligeiros toques de iodo, amêndoa torrada, nozes e avelãs, num bouquet cheio de vida e equilíbrio. Após algum tempo, bastante até, desfrutando dos seus aromas, passagem à prova de boca onde encontro uma complexidade e estrutura magnifica. Enche o palato por completo, mostra a fruta, a cremosidade e os toques melados do figo seco, da ameixa passa, alguma casca de laranja cristalizada, num fino equilíbrio e acidez no ponto e revigorante. O final de boca fica, prolonga-se, aparecem mais coisas, parece não querer acabar.

segunda-feira, 4 de janeiro de 2016

Marquês de Marialva Baga Reserva 2010 Tinto

MARQUÊS DE MARIALVA BAGA RESERVA 2010 TINTO | BAIRRADA | 13,5% | PVP 4,99€
BAGA
ADEGA COOPERATIVA DE CANTANHEDE, CRL
16

Nasce no terroir bairradino, na Adega que se apresenta como o principal produtor da região demarcada da Bairrada, produzindo cerca de 30 a 40% da produção global da região. Quantidade, mas com qualidade. Assim tem sido nos últimos anos e este vinho é, sem dúvida, um belo representante dessa equação.
Apresenta cor rubi-granada com nuances violáceas bem definidas e de aspecto limpo. Começa por dar prazer no plano aromático, envolvente, com a fruta vermelha madura e algumas notas compotadas a marcarem posição, ladeadas por traços provenientes do estágio em barrica bem integrados, algum cacau, rebuçado de café, tosta leve e sensação de frescura. Na boca, a presença de uma Baga mais polida, mais redonda e macia, com bom volume de boca e uma fruta vermelha muito bem colocada e, diria até, com elegância. Continua prazeiroso.
Envolvente e com final de boca persistente.

sábado, 2 de janeiro de 2016

Quinta do Vale Meão 2008 Tinto

QUINTA DO VALE MEÃO 2008 TINTO | DOURO | 14,5% | PVP 80€
TOURIGA NACIONAL, TINTA RORIZ, TOURIGA FRANCA, TINTA BARROCA
F. OLAZABAL & FILHOS, LDA
18

Em 1887 começava a ser plantada, na margem do Rio Douro, em terrenos de puro mato adquiridos por Dona Antónia Adelaide Ferreira ao Município de Vila Nova de Foz Côa, o vinhedo da Quinta do Vale Meão. Hoje, na posse de Francisco Javier de Olazabal, seu trineto, esta que foi uma das míticas Quintas da "Ferreirinha", tem os seus 81 hectares de vinha plantada em terrenos de diversas origens geológicas que são o terroir para a produção deste vinho.
Mostra-se jovem na cor, de vermelho rubi intenso, boa concentração e sem mostrar ainda sinais dos anos a passar. No plano aromático deparamo-nos com um bouquet bastante complexo e ao mesmo tempo harmonioso. Notas florais, com frutos vermelhos e pretos maduros ainda plenos de frescura, giesta, cedro, barrica que não deixa de se notar, mas que não se sobrepõe e até complementa. Vai abrindo e crescendo à medida que o tempo passa com ele no copo. Mostra-se vivo e com vontade de continuar.
Boca com estrutura, a mostrar que ainda tinha tempo para ser aberto, vivaço, de tanino sólido, embora macio, aveludado e guloso. Enche o palato e continua a mostrar-se cheio de equilíbrio e agora ainda mais envolvente. É um vinho que dá prazer beber e levar para a mesa. Sem dúvida um dos Grande do Douro e de Portugal.

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails